Pular para o conteúdo principal

GREVE GERAL

Hoje, tudo é um divisor de águas (de opiniões). Muitos contra, muitos a favor. Muitos que nem ao menos sabem do que se trata! E os (em cima do muro) ou, os mais comuns, os que remam com a maré, porque ir CONTRA requer um certo gasto de energia, requer TRABALHO.
Enfim, independente do sim ou do não, segue minha versão DENTRO DA HISTÓRIA.
Se você é assalariado, com carteira assinada, com direito a férias e décimo terceiro, folga, seguro desemprego, seguro maternidade, auxílio doença, e afins... Bom pra você (ao menos espero que seja)!
Porque eu, nesse diz que me disse, dependo da minha força de (para) o trabalho. Atualmente, trabalho quase que 12 horas por dia, de segunda à sexta (há os que trabalhem de segunda a segunda). Não tenho e nunca tive a tão falada CARTEIRA ASSINADA, portanto, não sei o que são férias, folgas, décimo terceiro, participação em lucros... Caso eu queira tirar férias, preciso pensar no quanto isso afetará meu orçamento e, em que ou no que esse “privilégio” (não sei se é uma palavra que cabe, mais enfim) de me ausentar do trabalho acarretará mais à frente. Do meu salário BRUTO saem: dinheiro para a condução (que todo ano há uma desculpa esfarrapada para JUSTIFICAR o aumento); convênio médico e odontológico (também abusivo já que não se difere tanto assim da ausência de leitos, da demora em marcação de consultas. E quando você realmente necessita, geralmente, não há cobertura no plano escolhido, daí se corre pra onde? Ah, o SUS); alimentação; vestuário; produtos de higiene pessoal; créditos para o celular (afinal, o MUNDO É DIGITAL); e, não menos importante e impessoal (pois, somos apenas números), contribuição para o INSS. Porquê? Porque eu nunca tive CARTEIRA ASSINADA, e dependo, como dito no início desse texto, do MEU TRABALHO, dependo da minha CAPACIDADE de gerar energia, SOU MÁQUINA GERADORA DE LUCRO, e de lucro não MEU. Portanto, caso essa MÁQUINA QUEBRE não há quem a conserte, afinal, não possuo VÍNCULO EMPREGATÍCIO, quebrou, coloca-se outra, outros no lugar. Somos substituíveis, embora, sejamos únicos. Somos nossas próprias pessoas, portanto, independente de onde VOCÊ SE ENCONTRE DENTRO DESSA HISTÓRIA existe sim a necessidade de uma GREVE GERAL, de uma LUTA POR VOCÊ! Luta se dá nas urnas!? Ah, meu amigo! Faz-me rir! A “lava jato” está aí pra mostrar que TODOS, ABSOLUTAMENTE, TODOS são farinha da mesma “Odebrecht”, ou seja, não é numa urna “eletrônica” que algo vai realmente mudar.
Eu tenho atualmente 34 anos. Ainda moro com meus pais. Não tenho automóvel, ou moto, ou mesmo uma bicicleta. Possuo ensino superior (embora manifestantes sejam VAGABUNDOS) e, lutar por SEUS direitos seja apenas um esquema de sindicalistas, mas, não vamos GENERALIZAR, não é!
Quantos anos mais eu possuo nesse ritmo sem que minha MÁQUINA QUEBRE? Quanto tempo mais eu aguento sem pausa? Quanto tempo mais minha força GERADORA gerará na mesma proporção, renderá os mesmos LUCROS?
Alguém me viu mencionar algo sobre LAZER!? Sonhos!? A reforma da vez!? Aposentadoria?
Será que não se fica cansado? Eu canso. Eu estou cansada! Muito mi mi mi. Pão e circo.
Até onde VOCÊ acha que aguentará?

Milene Paula

28 abr. 2017

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabeça cheia

É durante a noite que a mente fervilha. O dia com suas intervenções, performances, instalações, trilhas sonoras impedem a mente de dizer, ela limita-se a consumir, e nesse consumo ensandecido ela arde sem saber e durante a noite desmistifica o querer. Durante a noite arde e as chamas transpassam o crânio, sangram a pele, criam cicatrizes, as ideias tornam-se palavras, às vezes, com significado algum... Enigmas ocultos no não dizer... 
Um sujeito que passa o dia a ouvir, absorver, mudo... Basta o surgir da lua e ele pôe-se a acreditar que tem algo a dizer. Que vão parar por um segundo e compreender tudo o que dançou na mente durante a osmose do dia. Durante sua inércia de vida. Sua dúvida, seu medo, sua dor, seu não ser... Os verá passar, dizer, sonhar, cantar, amar, criar e, o ignorar durante mais um dia, para voltar a arder em chamas falantes pela noite achando ser qualquer coisa que compreende o mundo. 

Lisbella Lispectra

NA MINHA PELE

(impressão após a leitura) Despretensiosamente, iniciei a leitura do “Na minha pele”, o título não me trouxe a ideia do que seria o conteúdo desse livro, e nem me prendi muito a isso, geralmente, o título é o “alguém” que me leva à leitura, quem ganha o meu interesse. Não dessa vez! Sua leitura veio após o prestigiar/presenciar de “O topo da montanha”, portanto, pós um encantamento/curiosidade em descobrir um ator, produtor, autor, enfim, um homem negro de muitas facetas, o reconhecimento de um semelhante, atualmente, “representatividade”. Posso dizer também que veio pós uma vontade em reproduzir uma foto com a capa do livro e unir nossas faces que, só após ler-te, entendi ser muito mais que um simples montar de um mosaico, esses recortes vão muito mais além, arrisco em dizer que vão ao encontro do espelho outrora partido, ao resgate e ao entendimento da História ocultada, calada, reprimida. Dizem que comemos com os olhos, e eu digo que a expressão não se adéqua só a comida, pois, sabor…

PARECE ERRADO SER TÃO CERTO

De repente ali, sem mais nem menos, ao seu tempo. Todos os clichês, dos mais comuns aos mais ridículos, fizeram-se (SER), estar, crer, viver. Um dia, de frente ao espelho, a encarar-me, decidi: "(SÊ)R FELIZ!" Porém, achava que o seria sozinho. Havia decidido. Ser feliz (SÓ)-ZI-NHO. Porém, numa resposta à prece antiga, disse-me Deus: "Pegue seus SÓS, abandone um "S" e acresça um "N" (NÓS). E, como em Lispector, soube que o avesso é meu lado mais que certo. Sorrir passou a ser natural. De repente, parece errado ser tão certo. Querer estar sempre perto. Caber e se perder num único abraço. O SEU... Os poucos dias parecem anos. Contabiliza-se pelo fato de ser gostosa tamanha conexão. Quem sabe feitos sob medida. E aí...!? EU, VOCÊ (NÓS), tranquilo, de boa, únicos, de verdade... Pra comprovar serem deliciosamente ridículas, todas as histórias de amor. E eu, de repente, a viver clichês, sendo ridiculamente feliz, preenchida por (NÓS), tijolo à tijolo, construir.…